Filmes do mês

Diferente de todos os outros filmes que eu já havia visto do Almodóvar, mas não menos surpreendente. Muitos mistérios e perguntas de “por que isso”, “como isso aconteceu” conduzem o filme a um suspense com fatos consumados que viram terror.Um médico que não mede consequências e beira a loucura da obsessão.

Mesmo com algumas histórias mirabolantes (que parecem enfiadas na marra e forçam a barra) usadas para conduzir a trama, o filme ainda sim, instiga e prende. Em cenas como a de um cara atravessando a rua vestido de tigre, com um rabo tremulante, do nada, você consegue começar um riso e ver o Almodóvar de outros filmes ali.

O terror continua nos objetos e consumação de todos os fatos; uma das melhores frase que li no Omelete, ilustram muito bem o filme:

“Mesmo os objetos mais simbólicos do mundo, os falos, neste filme são apenas isso: falos. O médico louco tem uma coleção deles, pintos de muitos tamanhos. E não são meros enfeites, emblemas da virilidade etc. Falos também foram feitos para ser usados, e em A Pele que Habito eles são. Não deve haver terror maior.”

Depois de assistir, descobri lendo sobre o filme que Xavier Dolan, o protagosnista, além de atuar, escreveu, produziu e dirigiu a obra aos 20 anos de idade.  Praticamente uma autobiografia sobre a relação conflituosa com sua mãe e .

O filme vai ao extremos em declarações de ódio e demonstrações intensas de carinho. Uma das coisas que mais me chamou a atenção foi o abandono do uso da visão demasiado romântica nas relações maternais (mas não o abandono do amor) e o sobressalto, muitas vezes, dos desgastes e tensões das relações humanas acima de qualquer laço. Assusta quando damos de cara com a impossibilidade de convivência entre mãe e filho.

As divisões das imagens (pensamentos do personagem, relatos filmados por ele, textos escritos por ele) deixam o filme interessante com uma narrativa original. Vi bastante sensibilidade na violência das palavras e na aspereza da relação. Lindo filme.

Anúncios

Sobre vidarealinventada

Chato, curioso e inconstante.
Esse post foi publicado em Quase cult e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Filmes do mês

  1. Tatiana Lazz disse:

    Quero assistir ao almodovar amanhã! Esse outro fiquei com vontade. Belas resenhas. Bjo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s